Por que cachorro come cocô?

(Texto adaptado do livro The welfare of dogs, de Kevin Stafford, e Handbook of applied dog behavior and training, de Steven Lindsay)

O hábito do cachorro comer cocô, também chamado de coprofagia, é uma reclamação comum entre os donos de cães. Porém, isso tem uma explicação para acontecer tão frequentemente: infelizmente, esse é um comportamento natural dos cães. É importante lembrar que os cachorros pertencem à família dos canídeos, ou seja, são animais que se alimentam de carne, vegetais e insetos. Entretanto, os cães são considerados animais oportunistas que se alimentam também de restos deixados por outros animais ou mesmo fezes - deles mesmos ou de outros animais. Cachorros de qualquer idade podem apresentar esse comportamento. No entanto, é mais comum nos filhotes 4 e 9 meses de idade. Ainda, as fêmeas com ninhada instintivamente estimulam a eliminação e ingerem as fezes de seus filhotes do nascimento até a terceira semana de vidacomo um hábito de limpeza dos filhotes.

A origem desse comportamento não é clara, mas sugere-se que tenha surgido no processo de evolução e adaptação da espécie à domesticação. Os primeiros cães eram provavelmente carniceiros que sobreviviam se alimentando dos restos deixados durante a migração do homem primitivo. Os cachorros mais confiantes, que se aproximavam dos humanos, tinham uma vantagem em relação àqueles que ficavam à distância: eles puderam ficar mais próximos aos acampamentos e permanecer por muito mais tempo junto ao homem. Isso permitiu que esses cães pudessem aproveitar melhor os restos deixados pelo homem, inclusive as fezes, que forneciam componentes nutricionais importantes numa época que a alimentação não era balanceada. Como consequência, esses cachorros puderam sobreviver numa época que a oferta de alimento não era constante. Provavelmente, essa característica adaptativa foi um diferencial evolutivo importante para a sobrevivência da espécie.

Embora seja considerado um comportamento natural dos cães, obviamente o hábito de comer cocô não é bem visto por ninguém, especialmente os donos dos cachorros. Além disso, esse comportamento também oferece riscos à saude do animal, pois ele pode acabar adoecendo pela ingestão de vírus, bactérias e vermes presentes nas fezes de outro animal. Atualmente, diversos fatores são entendidos como prováveis causas para o cão desenvolver coprofagia. Por se tratar de um hábito natural e instintivo do cachorro, deve-se entender o porquê dele estar ingerindo as fezes e atuar nesse ponto especificamente para solucionar o problema.

A deficiência nutricional, seja pela baixa qualidade do alimento ingerido, problemas digestivos ou pela presença de parasitas intestinais é um dos fatores que pode levar o cão a comer cocô - nesse caso, ele deve ser avaliado por um Médico Veterinário em relação a sua saúde. Ainda, as fezes de animais com problemas digestivos podem apresentar componentes nutricionais valiosos e chamar a atenção de outros cachorros. O estresse por viver preso é outro fator observado por diversos pesquisadores. A ansiedade em cães parece também estar relacionada à ingestão de fezes - cães que são castigados quando comem cocô tendem a repetir o hábito para tentar esconder as evidências, gerando mais ansiedade ainda. Por fim, os cachorros podem imitar o hábito de outros animais - como imitar as mães que estão limpando os filhotes.

Algumas técnicas de adestramento têm sido empregadas com sucesso na remoção desse comportamento. Obviamente, a técnica mais efetiva é evitar o contato do cão com as fezes. Pimenta, glutamato monossódico e suco de abacaxi, substâncias com sabores que a maioria dos cachorros evita, podem ser aplicadas nas fezes - porém, essa técnica nem sempre funciona, já que o olfato dos cães é extremamente sensível e eles podem aprender a diferenciar quando é uma armadilha ou não.